Arpejos Diminutos
Versão para impressão

Nessa aula iremos trabalhar os Arpejos Diminutos, que funcionarão basicamente iguais aos acordes, já que podemos entender por Arpejo as notas dos acordes tocadas de forma arpejadas. Podemos ver os Acordes inseridos em muitos desenhos de Arpejos, e isso é bem funcional!

No geral iremos trabalhar com os Arpejos Diminutos (Tríade) encontrado no sétimo grau do Campo Harmônico Diatônico Maior, o Arpejo Meio Diminuto (Tétrade) também encontrado no sétimo grau do Campo Harmônico Maior Diatônico (Tétrade), e também o Diminuto Perfeito, encontrado no Campo Menor Harmônico, proveniente do sistema harmônico, onde também se localiza no sétimo grau!

É importante lembrar que a sétima diminuta se enarmoniza com a sexta maior. Abordaremos essas três cadeias de Arpejos pensando por tônicas, trabalhando os Arpejos Diminutos em quatro, cinco e seis cordas, e assim distribuindo no braço do instrumento!

Seguem abaixo alguns modelos.

Inicialmente temos os Arpejos Diminutos em Tríades, concentrando as tônicas na sexta, quinta e quarta cordas como mencionei anteriormente, os Arpejos são bem legais. Tenha muita atenção nos saltos e aberturas de digitação que esses Arpejos oferecem!

Seguimos então com as Tétrades Meio Diminutas, elas costumam ser Arpejos com digitações mais “comportadas”, sem muitas aberturas ao longo do desenho, porém costumam ter mais de uma nota por corda, o que deixa o Arpejo mais difícil de executar devido a necessidade de aplicar duas maneiras diferentes de palhetar.

Para finalizar, os Arpejos Diminutos em Tétrades, a simetria gerada por essa combinação intervalar gera alguns shapes interessantes, como o desenho de seis cordas, que possui a mesma digitação deslocando-se ao longo do braço, resultando em um formato bem amplo ou até mesmo outros desenhos mais compactos com formatos parecidos!

Nunca se esqueçam de exercitar o sweep picking no treino técnico dos Arpejos, trabalhem com o metrônomo em andamento lento tentando tocar o máximo de figuras possíveis !